quinta-feira, setembro 29, 2005

Crónicas de Berlim IV

Impressiona pela positiva a ausência de pobreza, pelo menos pobreza visível. A quantidade de construção é notória, ultrapassando Lisboa em época de autárquicas! Daí que Berlim seja conhecida pela cidade da “mudança constante”, umas vezes intencional, outras vezes forçada. A cidade é limpa e não faltam restaurantes e cafés, bem como todas as lojas de marcas reputadas em todo o mundo. Nesse aspecto, a Friedrichstrasse é o lugar cosmopolita por excelência, mas a Unter Den Linden e a Wilhemstrasse são concorrentes directas pelos turistas.

E, por falar em turistas, a quantidade de pessoas que passeia por Berlim no fim-de-semana da famosa Maratona é absolutamente incrível. Só Deus saberá o que leva 40000 (quarenta mil) atletas a correr e 1.000.000 (sim, um milhão) de pessoas a assistir a uma corrida que dura 42 quilómetros, só se vêem os atletas passar uma vez e raramente envolve qualquer tipo de emoção ou incerteza no seu final. Qualquer outra especialidade do atletismo é mais emocionante, do salto em altura ao lançamento do dardo, dos 110 mtros barreiras aos 5000 metros. Ainda dizem que a Fórmula 1 é monótona porque os carros dão 70 voltas ao mesmo traçado…

Image hosted by Photobucket.com
A Avenida do 17 de Junho vista do alto da Coluna Triunfal, com a meta da Maratona de Berlim já devidamente identificada a meio, a Porta de Brandenburgo ao fundo e a Torre de Comunicações da Alexander Platz ao fundo sobre o lado esquerdo

Etiquetas: