quinta-feira, março 30, 2006

Post Multifunções

1. O cd das terças-feiras e disco da semana é The Life Pursuit dos escoceses Belle & Sebastian, que o obstinado crítico João Lisboa, do Semanário Expresso, já se deve ter encarregado de destruir...



2. A Paisagem Canadiana V é um pôr-do-sol captado de um carro em andamento, perto da cidade de Regina, na província do Saskatchewan.



3. Não consegui conter o meu choque com a política de emigração do governo canadiano. Primeiro, um governo dá uma oportunidade aos emigrantes ilegais de procederem à legalização. Esse governo perde as eleições e é substituído por outro que utiliza as informações proporcionadas pelos pedidos de legalização para proceder à extradição. As palavras traição, estupefacção e desilusão não descrevem o que sinto. A utilização de meios tortuosos para obter fins, por mais legítimos que sejam, deve ser condenada, até mesmo por um profundo admirador da cultura do país em causa.

4. Esta entrada serve igualmente para agradecer a todos quantos demonstraram entusiasmo e deram apoio à realização da sessão de segunda-feira passada. Bem hajam!

Etiquetas: , ,

quinta-feira, março 23, 2006

Convite

Caros amigos e bloggers: aqui fica um convite para a sessão de apresentação da próxima segunda-feira. Conto com a vossa presença!

Etiquetas: ,

quarta-feira, março 22, 2006

Paisagens Canadianas IV

Dawson Falls, Wells Gray Provincial Park, British Columbia, Agosto de 2004

Etiquetas:

terça-feira, março 21, 2006

Música à Terça IX


Todos nós temos uma lista de países que adoraríamos visitar. No topo da minha está a Islândia. Paisagens vulcânicas e desoladas, neve, gelo e água em abundância, poucos seres humanos, muitas bruxas, enfim… um encanto! Acontece que visitar a Islândia é dispendioso (Reykjavik é a segunda cidade mais cara do mundo!) e só os mais excêntricos consideram a possibilidade de voar para esta ilha mágica. Enquanto a oportunidade não chega, contento-me com o melhor substituto destes cenários: Agaetis Byrjun dos Sigur Rós.

Os Sigur Rós foram capazes de desenvolver uma atitude musical única e constituem o exemplo mais inovador e criativo do género pós-rock, a que pertencem também os conhecidos Mogwai, Godspeed You Black Emperor e Labradford. O segundo disco da banda, editado em 1999, é para mim o melhor. Vidrar Vel Til Loftarasa, Staralfur, Svefn-G-Englar e o hino Olsen Olsen são momentos inesquecíveis que representam uma sonoridade única, proveniente de um país longínquo e desconhecido, mas que exerce sobre o ouvinte um fascínio e uma curiosidade inesgotáveis. Não fosse o génio de Björk, e os Sigur Rós seriam a principal exportação artística da Islândia. A profusão de música de qualidade proveniente da “ilha encantada” leva-me a acreditar que existe algo mágico naquelas terras distantes que fortalece o engenho criativo daquele povo.

Etiquetas:

sexta-feira, março 17, 2006

Paintings on Fridays VI


O Velho Guitarrista - Pablo Picasso (1904 - Período Azul)

Etiquetas:

segunda-feira, março 13, 2006

Música à Terça VIII


Canta Mientras Puedas (Sing While You May) é uma colectânea dos melhores temas dos Legendary Pink Dots (LPD), uma banda de origem belga editada pela Play It Again Sam Records e liderada pelo génio criativo de Edward Ka-Spel. Com mais de 30 álbuns editados desde o início dos anos oitenta, a música dos LPD oscila entre o experimental e o fantástico, constituindo com os Minimal Compact e os Tuxedomoon, um dos grupos mais criativos de música independente da época. A razão pela qual recomendo uma colectânea é a diversidade musical de todos estes trabalhos e a óbvia dificuldade em seleccionar os melhores. Não os conhecendo a todos, os meus preferidos são The Lovers (1985), Island of Jewels (1986), The Crushed Velvet Apocalypse (1990), Chemical Playschool Vols. 8/9 (1995) e All the King's Men (2002).

Durante o fim-de-semana, tocou neste blog Princess Coldheart, um pequeno conto de fadas em forma de poema centrado no ego de uma princesa caprichosa, acompanhado por música cheia de sonoridades invulgares e melodias de Avalon. A escolha musical para hoje recaiu sobre A Triple Moon Salute, o mais próximo de um hino que a banda alguma vez produziu. Outra escolha lógica seria The Grain Kings, uma sofisticada espiral de sintetizadores, loops, drones e efeitos sonoros de colheita diversa, que resulta numa estranha harmonia que desafia qualificação.

Pela longa carreira que possuem, os LPD justificam um olhar mais atento. Uma banda que edita mais de três dezenas de álbuns ao longo de 25 anos, sempre com relativo sucesso numa faixa de vanguarda dos compradores, não deve o seu sucesso ao acaso, mas à iniciativa de fazer música sem compromissos com a agenda das editoras multinacionais, mantendo-se fiel a uma estética marginal e experimental, com custos elevados em termos de vendas compensados por enorme respeitabilidade artística e intelectual.

Etiquetas:

sexta-feira, março 10, 2006

Paintings on Fridays V


O Grito, nas suas diferentes versões, é o quadro mais famoso do norueguês Edvard Munch, mas o meu favorito é A Dança da Vida, terminado em 1900. Os temas mais marcantes desta fase da carreira do pintor estão lá todos: vida, isolamento e morte. Estará também, porventura, a inveja, pois sempre que olho para este quadro vejo duas mulheres sós com um olhar distante e nostálgico(particularmente a da direita) para os casais que dançam. Estes, por seu lado, também não parecem felizes com o que a vida lhes reservou, pelo que se conclui que o quadro retrata a eterna insatisfação dos humanos com o que a vida lhes oferece.

A propósito de distância emocional e frieza de sentimentos, ali ao lado toca durante todo o fim de semana Princess Coldheart dos Legendary Pink Dots, um dos grupos mais prolíficos, e ignorados, dos últimos 20 anos de música independente.

Etiquetas:

quinta-feira, março 09, 2006

Capote


Vejo muito cinema, mas raramente escrevo sobre filmes. É preciso ficar muito deslumbrado/indignado/perturbado para sentir motivação a escrever. Vi Capote e fiquei incomodado. Não tanto pelos desempenhos dos actores e realizador do filme, mas pela mensagem moralmente dúbia que passa. Qual a legitimidade de um escritor para contar uma história sobre um assassino, explorando os detalhes mais íntimos da sua demência? Será que, ao cometer um crime tão hediondo, o assassino perde o direito à sua personalidade de modo a satisfazer a curiosidade mórbida de um escritor e dos seus leitores sedentos de escândalo e sangue? O recente caso do canibal de Rothenburg, no qual o tribunal deu razão ao criminoso (e queixoso), proibindo a exibição do filme, parece indicar que não.

PS: Capote era um indivíduo cheio de idiossincrasias, como aparece demonstrado ao longo do filme, mas a composição feita por Philip Seymour Hoffman é brilhante.

Etiquetas:

segunda-feira, março 06, 2006

Música à Terça VII


Já muito foi escrito sobre os Godspeed You Black Emperor!, mas nada substitui a audição integral de Lift Your Skinny Fists Like Antennas to Heaven (2000). Considerados praticantes de música para o novo milénio, os GYBE! têm sido enquadrados no género pós-rock, mas tal limita mais do que facilita a divulgação. A capacidade dos Godspeed You Black Emperor! para nos surpreender é quase infinita. As influências são muitas: dos Sonic Youth aos Swans, de Michael Nyman a John Cage.

O tema que se pode escutar ali ao lado são os seis minutos absolutamente memoráveis que abrem o primeiro disco deste duplo cd. Foi construído segundo uma estrutura semelhante ao Bolero de Maurice Ravel, embora eu duvide que seja isso que os GYBE! tivessem em mente. Começa com uma guitarra eléctrica gentilmente dedilhada e termina numa apoteótica sinfonia de dezenas de instrumentos a repetirem a melodia inicial. Uma marcha quasi-wagneriana, uma verdadeira orquestra rock que inclui guitarras eléctricas, baixo, 2 sets de bateria, violino, violoncelo e uma secção de metais.

Esta não é uma obra para espíritos fracos. Os GYBE! demonstram ao longo de 90 minutos a razão pela qual são um dos maiores fenómenos de culto mundial do género. Dois cds e quatro longas faixas (Storm, Static, Sleep e Antennas to Heaven) de mais de 20 minutos cada uma e com temas muito diversos, todos instrumentais, que transmitem a opressão, alienação e stress presente nos tempos modernos. Uma sinfonia urbano-depressiva, banda sonora desse longo filme a preto e branco que são as nossas vidas.

Etiquetas:

sexta-feira, março 03, 2006

Paintings on Fridays IV


Rooms by the Sea (1951) foi uma das incursões de Hopper pelo surrealismo. Como Magritte, Hopper surpreende-nos com uma porta aberta para o oceano. O contraste interior/exterior não poderia ser maior, sendo fortemente acentuado pelo tratamento da luz, que penetra no quarto de forma arrojada.

Etiquetas:

quarta-feira, março 01, 2006

Música à Terça VI



Nick Cave é quase incapaz de fazer um mau álbum. Depois do semi-fiasco de Nocturama, Nick redime-se em grande estilo com este duplo CD cheio de qualidade. Destacam-se Cannibals Hymn, There She Goes, My Beautiful World, Easy Money e, claro, o single Nature Boy.

Etiquetas: